Notícia

Por dentro do ES: conheça as histórias da cidade de Iúna

Quem também participa da conversa é o advogado, poeta e escritor Matusalém Dias de Moura, natural de Iúna e que nesta segunda-feira (20), lançou o livro "Subsídios para uma história de Iúna (1814-1930): fontes comentadas", justamente, sobre as histórias que envolvem a região

Nesta edição do "Coisas do ES", o comentarista Fernando Achiamé traz como destaque para a conversa as histórias de um dos mais antigos e importantes municípios capixabas: Iúna, na região do Caparaó, na divisa com o estado de Minas Gerais. Quem também participa da conversa é o advogado, poeta e escritor Matusalém Dias de Moura, natural de Iúna e que nesta segunda-feira (20), lançou o livro "Subsídios para uma história de Iúna (1814-1930): fontes comentadas”, justamente, sobre as histórias que envolvem a região.

Data a história que o território que hoje corresponde ao município de lúna era, antigamente, totalmente coberto pela Mata Atlântica e habitado por diversas tribos indígenas da nação puri. O município, por sua vez, foi criado em 11 de novembro de 1890 e instalado em 3 de março de 1891, com o nome de "Rio Pardo". O nome de "Iúna" seria adotado em 1943. Significa "águas pardas", em língua tupi.

Matusalém explica que, anos atrás, Iúna foi uma terra disputada por Minas Gerais e que daí surgiu, por exemplo, a fama dos iunenses serem valentes. "Um dos pontos principais dessa história é a gente perceber a luta do povo de Iúna em se manter no Espírito Santo. É um legado de defesa do seu território", recorda. Por conta da distância de Vitória, a cidade, ele aponta, só foi verdadeiramente se integrar ao Espírito Santo - do ponto de vista de deslocamentos - em meados do século XX, com a construção da BR-262. "A dificuldade que o povo de Iúna tinha para chegar até a Capital também é um importante capítulo da nossa história", detalha. Confira detalhes dessa conversa!

Ver comentários