Notícia

O comportamento e a socialização dos gatos

Nos dias atuais, em espaços cada vez menores, o gato tem se tornado o animal de estimação preferido em muitos lares brasileiros

Nos dias atuais, em espaços cada vez mais urbanos e menores, o gato vem roubando a cena e tem se tornado o animal de estimação preferido em muitos lares das famílias brasileiras. Essa preferência se justifica por diversos fatores: é um animal independente e dotado de forte personalidade, mas que interagem muito com o dono; não se incomoda de ficar, faz as necessidades em local apropriado sem precisar ensinar, vive bem em espaços pequenos, não incomoda os vizinhos. Mas e você? Conhece o comportamento de um gato? Sabe quais são suas necessidades e do que ele precisa no dia-a-dia?

 



Os gatos são animais retraídos por natureza e costumam se sentir confiantes apenas em um ambiente conhecido e com pessoas com os quais estejam acostumados, daí a importância de fazer uma correta socialização com outros animais, pessoas e situações ainda quando filhote, preferencialmente entre a 2ª e 9ª semanas de vida.
Então devemos proporcionar ao gato o maior número de experiências positivas durante seu desenvolvimento, tais como:
- Deixá-lo ser manuseado pelo maior número de pessoas de forma gentil e carinhosa;
- Colocá-lo em contato com outros animais;
- Brincar com ele: as brincadeiras são extremamente importantes para facilitar a interação do gatinho com as pessoas. Dê preferência por objetos, pois brincadeiras corporais podem estimular comportamentos agressivos como mordidas;
- Acariciá-lo: sempre que possível, para deixá-lo acostumar-se. Caso ele não goste muito de carinho tente fazer antes ou enquanto ele estiver comendo ou logo após acordar;
- Restringir seu movimento: segurá-lo de maneira firme e mantê-lo seguro até estar calmo. Isso vai acostumá-lo a ser contido na hora da consulta do veterinário, do banho, para cortar as unhas ou ser escovado, por exemplo.
- Recebendo em troca um reforço positivo seja em forma de petisco ou alimento úmido;

Outra questão importante a se considerar é: deixar ou não deixar o animal sair de casa? O gato tem comportamento naturalmente exploratório e predatório, mas sair à rua representa riscos que podem encurtar a vida do animal, como acidentes, atropelamentos, maldades alheias, brigas o risco de contrair doenças de outros gatos e a procriação descontrolada. Mediante esse fato, muitos donos mantém o gato dentro de casa e para isso é importante enriquecer o ambiente para garantir o bem-estar, oferecer formas de fazer atividade física e evitar problemas como a obesidade e os distúrbios de comportamento.

Formas de enriquecimento ambiental:
- Oferecer o alimento não só no potinho, mas como uma caça: brinquedos que liberem a comida aos poucos, esconder a comida em cantinhos da casa ou em cima das prateleiras;
- Arranhador: serve para alongar o corpo e afiar as unhas (ao invés de afiar nos móveis!);
- Brinquedos que estimulem o instinto de caça: ratinhos com catnip, bolinhas, ponteiras laser. Eles também adoram brincar com caixa de papelão;
- Prateleiras fixadas para que o gato possa andar no alto, escalar e controlar o ambiente;
- Deixar o animal desenvolver o instinto de caça e brincar com pequenos insetos, formigas, lagartixas e outros. Lembre-se que se ele trouxer um, está oferecendo um presente!
- Locais onde o gato possa se esconder caso se sinta ameaçado: tocas para gatos, dentro do armário, caixas de papelão;
- Em caso de apartamentos as telas de proteção são importantes para que o animal não saia “voando” pela janela.

FONTES:
Livro: Fundamentos do Comportamento Canino e Felino – Ceres Berger Faraco e Guilherme Marques Soares – Editora MedVet – 1ª Edição
Página: www.caocidadao.com.br

Dra. Tatiana Sacchi
Clínica Geral e Cardiologia de Cães e Gatos
CRMV-ES 557