Notícia

Brasileiros estão dormindo cada vez menos durante a semana

Ouça entrevista com o médico especialista em Medicina do Sono, Davi Sobral, coordenador Nacional da Semana do Sono

Milhares de brasileiros têm se queixado cada vez com problemas no sono. Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Sono, com 6.472 entrevistados, entre os anos de 2018 e 2019, releva exatamente esta redução nas horas de dormir, principalmente em dias de semana.

Em entrevista à rádio CBN Vitória nesta quinta-feira (05), o médico especialista em Medicina do Sono Davi Sobral, coordenador Nacional da Semana do Sono, explica que dormir mal durante anos pode levar a problemas neurológicos degenerativos. 

 

 

- Em 2019, a população adulta relatou dormir menos nos dias de semana, cerca de 6,4 horas/dia, se compararmos com o ano de 2018, em que a média foi de 6,6 horas;

- Em comparação com 2018, o número de pessoas que relataram ter problemas de sono em 2019 aumentou de 59,6% para 65,6%;

- As queixas reportadas com maiores frequências foram: acordar durante a noite (57,3% em 2018 e 50,1% em 2019), acordar sentindo-se cansado (52,7% em 2018 e 48,0% em 2019), dificuldade para iniciar o sono (44,6% tanto em 2018 quanto em 2019), roncar (38,6% em 2018 e 38,5% em 2019), acordar muito cedo (34,3% em 2018 e 35,3% em 2019), e sonolência excessiva diurna (34,4% em 2018 e 26,0% em 2019);

 - Duração de sono necessária em cada faixa etária:

 *O recém-nascido dorme em média 14 a 18 horas por dia, intercalando períodos acordado a cada 3 ou 4 horas. Este número de horas de sono é importante para o crescimento e desenvolvimento, principalmente neuronal.

*Dos 3 aos 5 anos de idade (chamados de idade pré-escolar) o número de horas de sono é de 13 a 15 horas com períodos de cochilos durante o dia.

*Dos 6 aos 12 anos (idade escolar), é de 9 a 11 horas por dia, não havendo mais a necessidade de cochilo diurno, sendo normal a persistência de um cochilo durante o dia para algumas crianças.

*A adolescência é caracterizada por uma situação especial e passageira de mudanças no padrão de sono, com a necessidade de sono de 8 a 10 horas. Nesta fase da vida existe um atraso de fase do sono, no qual o adolescente apresenta a tendência a dormir mais tarde e acordar mais tarde. Isso acontece devido a uma mudança natural no ritmo do sono, que pode promover desajuste com a prática dos horários escolares e outros compromissos sociais.

*Na vida adulta, a necessidade de sono da maioria da população varia de 7 a 9 horas, sendo a média de 8 horas.

*Com o avançar da idade, a necessidade de sono pode sofrer um decréscimo pequeno, apresentando uma duração de 7 a 8 horas. Porém, os idosos podem manifestar mais despertares noturnos e a tendência ao avanço de fase do sono, ou seja, tendência a dormir mais cedo e acordar mais cedo, podendo ceder mais facilmente a necessidade de cochilar durante o dia.

Ver comentários