Notícia

Vacina chinesa é a mais avançada, diz epidemiologista sobre CoronaVac

Ouça as explicações da epidemiologista e comentarista da CBN Vitória, Ethel Maciel

Nesta quarta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e disse que o Brasil não comprará a vacina chinesa
Nesta quarta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e disse que o Brasil não comprará a vacina chinesa
Foto: Miguel Noronha/Futura Press/Folhapress

O desenvolvimento da vacina chinesa, pelo laboratório Sinovac Biontech, é o mais avançado atualmente. A afirmação é da epidemiologista e comentarista da CBN Vitória, Ethel Maciel, que esclareceu também que após a aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não há risco em tomar o imunizante. A explicação vem após a polêmica em torno da CoronaVac surgiu após o presidente Jair Bolsonaro afirma, nesta quarta-feira (21), que o Brasil não irá comprar "a vacina da China", o que impõe graves dúvidas sobre o calendário que o país vai seguir contra a Covid. Ouça as orientações da especialista!

 

 

 

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, havia anunciado a compra de 46 milhões da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac. A empresa tem um acordo com o governo de São Paulo para produção do imunizante no Instituto Butantan.

Pós-doutora pela universidade americana Johns Hopkins, Ethel Maciel explicou ainda que não há segredo nos componentes inseridos na CoronaVac. "O que há é uma transferência da tecnologia chinesa para o Brasil. A vacina vai ser toda produzida no Brasil, pelo Instituto Butantan, que já produz 75% das nossas vacinas, com aval da Anvisa". 

Sobre a repulsa do próprio presidente e de parte da população brasileira na compra da vacina chinesa, a epidemiologista salientou: "Não faz sentido, já que a maior parte da matéria-prima dos medicamentos do Brasil ou os nossos medicamentos em si já são importados da China ou Índia".

 

 

 

 

Ver comentários