Notícia

Padre ameniza violência em toque de recolher na Leitão da Silva

A Polícia Militar justificou dizendo que só age de forma proporcional

Padre Kelder Brandão
Padre Kelder Brandão
Foto: Divulgação

A violência da imposição para que comerciantes fechassem estabelecimentos na Avenida Leitão da Silva foi amenizada pelo responsável da Paróquia Santa Teresa de Calcutá, de Itararé, Padre Kelder Brandão. Ele disse que o tratamento dado à situação gera ainda mais violência, citando a Polícia Militar.

A imposição aconteceu após a morte de dois jovens em um acidente em Gurigica. Os criminosos disseram que estavam de luto. Todos os dois tem passagem pela polícia. O padre disse, em uma mensagem nas redes sociais, que foi ao velório e percebeu muita tristeza por parte de todos, inclusive das crianças, adolescentes e jovens.

Para o padre, eles quiseram mandar uma mensagem. “Eu sou do interior e quando morria alguém o trabalho e as aulas eram suspensos. Acho que é essa a mensagem. Agora temos o problema da comunicação. Uma criança que cresce em meio à violência quando se torna adulta expressa sentimentos e desejos de forma agressiva. É o que acontece nas periferias”, disse.

Pe. Kelder tem convívio com regiões vulneráveis. Antes da região de Itararé, ele atuava como pároco em São Pedro, também na Capital. Para ele essas áreas precisam ser tratadas com menos violência pela Polícia Militar e com outro olhar pela sociedade, pois essa mesma violência acaba sendo projetada no futuro pelas crianças. “É necessário que a gente lide (com a situação) tendo em consideração toda a problemática em torno da violência na periferia. Não foi um fato isolado o que aconteceu ontem”, disse.

Na quinta-feira um tenente da Polícia Militar passava pela avenida fardado e contou que os criminosos atiraram várias vezes contra ele, que revidou.

O sub-comandante do 1º Batalhão de Vitória, Major Gustavo Alves, justificou dizendo que todas as ações, incluindo dentro das periferias, são preventivas. “O foco é sempre a prevenção, mas temos que agir de forma proporcional ao que recebemos. Quando há 10 indivíduos realizando disparos em via pública, temos que dar uma resposta um pouco mais enérgica”, explicou.

O sub-comandante acrescentou que o policiamento é feito normalmente dentro dos bairros e não emprega força desproporcional.

Ver comentários