Notícia

Traficantes dão prazo para moradores saírem da Piedade

Vários moradores foram embora da comunidade após receberem os avisos dos traficantes rivais

Operação no Morro da Piedade
Operação no Morro da Piedade
Foto: Eduardo Dias

Moradores do morro da Piedade, que não serão identificados por questões de segurança, conversaram com a reportagem da CBN Vitória, na manhã desta terça-feira (12), e contaram o drama de ter que deixar a casa onde moram sem ter para onde ir.

Segundo eles, traficantes que disputam o território com os criminosos da região avisaram no último sábado (09) e no domingo (10) que todos os parentes de traficantes da Piedade têm uma semana para ir embora. Do contrário, os criminosos vão voltar para matá-los.

Ainda de acordo com a população, há integrantes do grupo rival que já foram moradores da região e conhecem quem são os parentes dos possíveis criminosos e sabem onde essas pessoas moram.

Apesar da ordem específica para familiares de traficantes, moradores que não são parentes de criminosos também estão de saída do morro, como é o caso de uma dona de casa que falou sobre o clima de medo na comunidade. 

"Estou com muito medo, muito medo mesmo. Desespero. Quando eles vêm, falam que vão jogar granada dentro de casa. 'Bota a cara não, morador. Se botar a cara, vai ficar feio. Aí eles começam a dar um monte de tiro. Tem uma marca de tiro na minha casa. Eles falam várias ameaças. Deixam a gente sem saída, acuado. E olha as condições da gente. Nós não temos condições de pagar um aluguel. Ele (o marido) tá desempregado. Eu não trabalho, só recebo Bolsa Família e nós temos que ir embora", relata.

A moradora também conta como são as ameças para deixar a Piedade. "O medo é deles entrar e matar a gente. Eles falaram que todo mundo tem que sair do morro. Não chegaram a entrar na minha casa. Hoje ainda nós vamos botar o sofá ali embaixo, porque a gente não tem como pagar aluguel", afirma.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Nylton Rodrigues, afirmou que os moradores podem contar com os policiais e que não precisam ir embora da comunidade.

"Nós vamos permanecer aqui, para que a comunidade fique no bairro, não tenha que sair e não se renda a essa ação de traficantes. O indivíduo que morreu no domingo cedo também era traficante, com passagem de roubo. São traficantes que estão brigando por disputa territorial para negociar a droga. A polícia está justamente para passar o seu recado. Não precisa sair, nós vamos continuar e vamos fazer as prisões que forem necessárias", destacou.

A operação realizada na Piedade, na manhã desta terça-feira, contou com a presença de 72 policiais – 50 da Polícia Militar e 22 da Polícia Civil. Os agentes de segurança subiram as escadarias da comunidade, mas não foram executados mandados de busca ou prisão.

Ver comentários