Notícia

Tristeza e emoção marcam o sepultamento do ex-governador Camata

Na chegada ao cemitério, as pessoas que já aguardavam no local aplaudiram, muitos também choravam. Vestidos de branco, os filhos Enza Rafaela e Bruno e a viúva Rita Camata não saíram de perto do caixão

PH, muito emocionado, chorando, entregou as bandeiras do ES e do Brasil para Rita Camata
PH, muito emocionado, chorando, entregou as bandeiras do ES e do Brasil para Rita Camata
Foto: Letícia Gonçalves

Tristeza e emoção marcaram o sepultamento do ex-governador Gerson Camata, 77 anos, assassinado na última quarta-feira (26) pelo seu ex-assessor, Marcos Venicio Andrade, 66 anos. Vestidos de branco, os filhos Enza Rafaela e Bruno e a viúva Rita Camata não saíram de perto do caixão. O enterro foi no Cemitério Jardim da Paz, Serra.

O corpo saiu do Palácio Anchieta às 14h40 em cortejo no caminhão do Corpo de Bombeiros. Na chegada ao cemitério, as pessoas que já aguardavam no local aplaudiram, muitos também choravam.

Leia também

O sepultamento de Camata atraiu populares que o admiravam e também autoridades, que fizeram questão de destacar a trajetória política do ex-governador. O sepultamento foi realizado com honras fúnebres. No caminho do caminhão do Corpo de Bombeiros até a sepultura, militares executaram uma salva de tiros. A marcha fúnebre também foi tocada mais de uma vez.

O governador Paulo Hartung, que ficou ao lado de Rita Camata durante todo o sepultamento, lembrou que Camata era um grande pacificador. “Camata não era de fazer inimizade, adversários. Ele desviava de briga boba, isso tem muito na política e ele nos ensinou a desviar disso. eu aprendi muito com ele”, contou.

O governador eleito, Renato Casagrande (PSB) também compareceu ao sepultamento. “O sentimento é de choque, de tristeza e de revolta. Camata estava em plena atividade. Ontem neste mesmo horário nada tinha acontecido e hoje não temos mais ele entre nós. isso mostra como algumas pessoas desvalorizam a vida. Tirar a vida de outra pessoa é a maior violência que tem no mundo”, afirmou.

Multidão participa de cerimônia
Multidão participa de cerimônia
Foto: Leonel Ximenes

Cerca de cinco mil pessoas passaram pelo velório de Camata. A cerimônia ficou reservada para a família até às 10h. Depois desse horário, o público teve acesso ao local do velório até às 14h30.

O Secretário Chefe da Casa Militar, Daltro Ferrari, destacou que as honrarias oferecidas foi uma forma de homenagear Camata. “Se a gente fosse resumir nosso senador Gerson Camata em uma palavra é alegria. É uma pessoa que trazia alegria no local que chegava e representava união. Ele é mais que merecedor de todas as honras, que ainda são poucas”, afirmou.

Muitas autoridades foram se despedir de Camata. Estiveram no velório os ex-governadores Max Mauro e Vitor Buaiz. Prefeitos, deputados e vereadores compareceram ao Palácio. O ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Carlos Gratz também esteve no velório. A senadora Rose de Freitas (Podemos) destacou a amizade que construiu com Camata ao longo dos anos.

“Camata sempre foi um bom companheiro, bom conselheiro. Ele soube passar a experiência dele no campo da amizade. Ele não tutelava pessoas politicamente, ele fazia amizades”, contou.

Além de autoridades e políticos, pessoas comuns, que admiravam Gerson Camata acompanharam o sepultamento. O servidor Público Adevair Silva contou que Camata foi um grande governador. “Político com caráter igual ao dele é difícil. Acho que ele merece todas as homenagens, para mostrar o valor que ele tem de verdade”, contou.

Após o sepultamento Rita Camata saiu amparada pelo coronel Ferrari até o veículo da família. Ela não falou com a imprensa. O governador Paulo Hartung decretou luto oficial no Estado por sete dias.

> Luto de 7 dias por morte é somente em casos excepcionais

Ver comentários