Notícia

Corte do MEC vai tirar R$ 20 milhões de orçamento da UFES

O corte será em parte dos valores previstos para o custeio, destinado a manutenção da Universidade no pagamento de água, energia, limpeza, segurança, entre outros

O reitor da UFES, Reinaldo Centoducatte, em entrevista no dia do aniversário de 65 anos da instituição
O reitor da UFES, Reinaldo Centoducatte, em entrevista no dia do aniversário de 65 anos da instituição
Foto: José Carlos Schaeffer

A Universidade Federal do Espírito Santo terá R$ 20 milhões de reais a menos no orçamento após o anúncio do Ministério da Educação de um corte de 30% na verba para as universidades federais. O valor, inclusive, já não consta mais no sistema de orçamento da instituição. O corte será em parte dos valores previstos para o custeio, destinado a manutenção da Universidade no pagamento de água, energia, limpeza, segurança, entre outros.

O percentual de corte será aplicado em R$ 69 milhões dos R$ 120 milhões orçados para o custeio. Isso porque outras receitas deste orçamento não serão afetadas, como a assistência estudantil e verbas para o hospital universitário, por exemplo. O orçamento total da UFES é de R$ 926 milhões para 2019. E de acordo com o reitor, Reinaldo Centoducatte, apenas 40% foram liberados.

Sobre o corte, Centoducatte ressaltou que a universidade já está com o orçamento defasado e passa por contingências, e que mais um corte pode inviabilizar o funcionamento das instituições para o próximo ano.

“Como ja estamos com o orçamento defasado para custear os gastos das instituições, vai criar uma situação talvez de difícil solução ou de não solução. Talvez teremos que jogar dividas desse ano para pagar com recursos de 2020, isso significa inviabilizar o funcionamento das universidades em 2020”, disse.

> Ufes faz 65 anos e enfrenta desafios com corte de verba

O reitor criticou a falta de diálogo para a decisão. Disse ainda que o valor já foi cortado, conforme o sistema eletrônico de orçamento das universidades.

“Apenas o corte foi feito no sistema. Um sistema eletrônico que todas as universidades tem acesso. Em cada universidade, fez o contingenciamento, fez o bloqueio sem uma justificativa do porque, como foi a escolha. Apenas o bloqueio”, destacou.

Também presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Reinaldo Centoducatte diz que terá uma reunião com o MEC no próximo dia 16 e a expectativa é que, no encontro, seja possível reverter a medida.

O corte, que deve atingir 68 instituições pelo país, foi generalizado após críticas de uma punição orçamentária para três universidades federais que estariam fazendo "balbúrdia".

Outra dificuldade enfrentada pela Universidade é o bloqueio de emendas parlamentares enviadas por senadores e deputados da bancada capixaba. Em 2018, foram concedidos R$ 77 milhões pelos políticos. Segundo o Portal da Transparência do Governo Federal, do total do valor da emenda de 2018, quase R$ 2 milhões já foram pagos. O restante ainda consta como empenhado - o dinheiro está reservado, mas não foi repassado ao prestador do serviço para a instituição.

Ver comentários