Policial Federal capixaba contribui na investigação do caso Marielle Franco

Carlos Magno Alves Girelli é papiloscopista e desenvolveu uma técnica de identificação de digital em cartucho de munição

Publicado em 24/04/2018 às 12h34
Atualizado em 21/05/2021 às 01h47

O policial federal papiloscopista do Espírito Santo, Carlos Magno Alves Girelli, vem dando grande contribuição à investigação da morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco. O crime repercutiu no Brasil e no exterior. 

Girelli desenvolveu uma técnica de identificação de digitais em munição que foi usada em nove cartuchos recolhidos no local no crime. Em entrevista exclusiva à CBN Vitória, o papiloscopista explica como é aplicada a técnica, fruto do seu estudo de doutorado.