Fecomércio teme prejuízo com paralisação dos rodoviários

A estimativa para a queda no movimento das lojas por conta da paralisação da circulação dos ônibus na Grande Vitória gira em torno de 30 a 40%. A estimativa é que o comércio deixe de faturar a cifra de R$ 8 milhões por dia

Publicado em 29/11/2018 às 19h19
Atualizado em 20/05/2021 às 10h02

Dezembro começa no próximo sábado e, às vésperas da maior movimentação com as vendas de fim de ano - com Natal e Ano Novo -, a Federação do Comércio do Espírito Santo (Fecomércio) traz em números os prejuízos que a paralisação pode causar. A estimativa para a queda no movimento das lojas por conta da paralisação da circulação dos ônibus na Grande Vitória gira em torno de 30 a 40%, variando de acordo com a localização do comércio.

O alerta é dado: “Tudo isso, certamente irá impactar o resultado do mês de dezembro, um dos períodos mais importantes para as vendas com a chegada do Natal e Ano Novo”, explica José Antonio Pupim, diretor da Federação. A Fecomércio ainda informa que considerando os principais municípios atingidos pela greve de ônibus na Grande Vitória (Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica e Viana), o PIB diário do comércio e serviços desses municípios e o percentual de queda no fluxo, é possível estimar que esses setores deixem de faturar a cifra de R$ 8 milhões por dia.

Ele também explica que os prejuízos causados ao comércio e aos serviços, além do da queda nas vendas, acontece por meio de atrasos ou até mesmo com a falta de funcionários que dependem desse transporte. “Nesse caso o trabalho e o atendimento ficam deficientes”, explica. Em entrevista ao CBN Cotidiano você acompanha mais detalhes do tema. Confira!