Pediatras alertam sobre uso excessivo de celular e computador

Pesquisas têm demonstrado a urgência do tema para a sociedade e a amplitude dos riscos envolvidos, especialmente para o desenvolvimento de transtornos de saúde mental e problemas comportamentais

Publicado em 17/02/2020 às 11h48
Atualizado em 18/05/2021 às 23h17

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) acaba de lançar o Manual de Orientação "Menos Telas Mais Saúde". A campanha idealizada por pediatras alerta sobre a exposição excessiva de crianças e adolescentes às tecnologias digitais como smartphones, computadores e tablets. Em entrevista à CBN Vitória, o pediatra Eduardo Jorge Custódio alerta que diversas pesquisas têm demonstrado a urgência do tema para a sociedade e a amplitude dos riscos envolvidos, especialmente para o desenvolvimento de transtornos de saúde mental e problemas comportamentais.

 

O documento foi elaborado pelo Grupo de Trabalho sobre Saúde na Era Digital da SBP. O manual complementa e atualiza as recomendações lançadas pela entidade em 2016 sobre o tema.

Entre as principais orientações atualizadas pelo novo Manual de Orientação da SBP, destacam-se:

- Evitar a exposição de crianças menores de dois anos às telas, mesmo que passivamente;

- Limitar o tempo de telas ao máximo de uma hora por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre dois e cinco anos;

- Limitar o tempo de telas ao máximo de uma ou duas horas por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre seis e 10 anos;

- Limitar o tempo de telas e jogos de videogames a duas ou três horas por dia, sempre com supervisão; nunca “virar a noite” jogando para adolescentes com idades entre 11 e 18 anos;

- Para todas as idades: nada de telas durante as refeições e desconectar uma a duas horas antes de dormir;

- Oferecer como alternativas: atividades esportivas, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza, sempre com supervisão responsável;

- Criar regras saudáveis para o uso de equipamentos e aplicativos digitais, além das regras de segurança, senhas e filtros apropriados para toda família, incluindo momentos de desconexão e mais convivência familiar;

- Encontros com desconhecidos online ou off-line devem ser evitados; saber com quem e onde seu filho está, e o que está jogando ou sobre conteúdos de risco transmitidos (mensagens, vídeos ou webcam), é responsabilidade legal dos pais/cuidadores;

- Conteúdos ou vídeos com teor de violência, abusos, exploração sexual, nudez, pornografia ou produções inadequadas e danosas ao desenvolvimento cerebral e mental de crianças e adolescentes, postados por cyber criminosos devem ser denunciados e retirados pelas empresas de entretenimento ou publicidade responsáveis.