Vizinho matou casal em Santa Leopoldina, explica delegado-geral do ES

Ouça a entrevista com o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda

Publicado em 21/04/2021 às 13h30
Atualizado em 17/05/2021 às 12h01
Coletiva com o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda. Crédito: Fernando Madeira
Coletiva com o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda. Crédito: Fernando Madeira

A Polícia Civil divulgou nesta quarta-feira (21) imagens das câmeras de videomonitoramento que mostram o momento em que a advogada Marinelva Venturim de Paula e seu marido, o estilista iraniano Dali Atashi, são assassinados no sítio em que moravam em Santa Leopoldina, na região Serrana, no último fim de semana. José Carlos Rocha Rodrigues Marinho, 36 anos, está preso e confessou à polícia ter matado os dois, que eram seus vizinhos. As imagens mostram José Carlos entrando no sítio onde moravam Marinelva e Dali.

Em entrevista à CBN Vitória, o delegado-geral da Polícia Civil, José Darcy Arruda, falou sobre o caso. Quatro motivos foram elencados para o crime. Foram eles: a dívida por conta da aquisição de um terreno - o autor do crime tinha uma propriedade limítrofe com a vítima e, num primeiro momento, compra um pedaço de terra para poder passar com o carro dele até a propriedade no valor de R$ 10 mil. "Paga três mil, e depois não paga mais. A vítima não queria briga e ficou com o prejuízo", explicou.

Segunda situação: a tentativa do autor do crime de passar com canos de água na propriedade da vítima. Na terceira uma repreensão que Dali teria feito aos filhos de José Carlos por entrarem no seu sítio. E, por último, o acusado afirma que houve uma ocasião que a vítima teria colocado uma pistola para fora do carro e autor do crime teria entendido a postura como ameaça e decidido matá-lo. "Essa é a narrativa que ele vai construindo com muita frieza. Foi um crime com requinte de crueldade, uma atrocidade", disse Arruda. 

Detido, o acusado será indiciado por homicídio qualificado com requinte de crueldade.