Exames de cintilografia e PET scan podem ser adiados por falta de radiofármacos

O tratamento dos pacientes com câncer de tireoide também fica comprometido até a regularização da produção pelo Ipen

Publicado em 23/09/2021 às 12h14
Faltam insumos radioativos utilizados na Medicina Nuclear
Faltam insumos radioativos utilizados na Medicina Nuclear. Crédito: Pexels

Pelo menos 200 exames de cintilografia diários podem ficar comprometidos e até serem adiados no Espírito Santo, nas redes pública e privada, em virtude da suspensão da produção de radiofármacos e radioisótopos usados para exames e no tratamento de câncer no Brasil. Também serão atingidos pacientes em tratamentos para alguns tipo de câncer, como o de tireoide. O anúncio da suspensão da produção dos fármacos ocorreu esta semana pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI) do governo federal.

Em comunicado enviado aos serviços de medicina nuclear brasileiros que compram os produtos do Ipen, o órgão afirmou que teve grande corte no orçamento federal em 2021 e precisa de R$ 89,7 milhões para continuar a produção dos insumos até o fim de dezembro deste ano, por causa da alta do preço do dólar para importação de material. Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), o Ipen fornece 85% dos radiofármacos e radioisótopos utilizados no país, o que pode prejudicar cerca de 2 milhões de pessoas. 

No Espírito Santo, o Hospital Santa Rita, referência na área, divulgou nesta quarta-feira (22) que vai suspender a partir da próxima semana parte dos atendimentos a pacientes com câncer em função da falta de insumos que são enviados pelo governo federal. Essa suspensão afeta diretamente a realização dos exames de imagem e tratamento dos pacientes com câncer, a exemplo do iodo-131 utilizado na terapia da neoplasia diferenciada de tireoide. Todos os demais setores do hospital não serão afetados, como Radioterapia, Quimioterapia, Exames Radiológicos (Tomografia, Ressonância e Ultrassom), Internações, Cirurgias, etc).

Em entrevista à CBN Vitória nesta quinta-feira (23), o médico Romero Carlos Tonini, especialista em Medicina Nuclear e Imagem Molecular, alerta que em virtude da suspensão da produção dos fármacos pelo Ipen, as clínicas com estoques para pouco dias já devem começar a reduzir os agendamentos e adiar exames de cintilografias e PET scan.

Os pacientes com câncer e outras doenças que dependem de exames e tratamentos envolvendo radiofármacos também ficarão  desamparados com a falta do produto. Em entrevista à CBN Vitória, o médico oncologista Roberto Lima fala sobre o momento atual e explica que não há terapias alternativas. A expectativa é de que o fornecimento seja restabelecido somente a partir de 18 de outubro pelo governo federal.