Pandemia leva a um novo perfil do comprador de imóvel no ES

Ouça entrevista com Alexandre Schubert, diretor da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES)

Publicado em 26/03/2021 às 11h40
Atualizado em 17/05/2021 às 14h01

A pandemia trouxe uma nova realidade para o mercado imobiliário no Espírito Santo. Famílias numerosas, com crianças e também com idosos passaram a buscar por lugares mais espaçosos, como casas, terrenos e sítios. A busca não acontece somente na Região Metropolitana, mas também no interior do Estado. 

Segundo Alexandre Schubert, diretor da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), os capixabas estão sim trocando os apartamentos por lares maiores, como casas com quintal. Ele ressalta que o significado de espaço mudou. As casas precisaram crescem para comportar as funções de lar, trabalho, escola e lazer, diz Alexandre.

Na Grande Vitória, as áreas mais procuradas são, sobretudo, a Serra e Vila Velha. No município serrano, os destaques são Manguinhos e o Boulevard Lagoa. Em Vila Velha, os novos loteamentos de Interlagos.

De acordo com Alexandre Schubert, os imóveis das pessoas que vão continuar a viver no fervor do centro urbano também vão precisar mudar para as novas realidades. "Não vai fazer mais sentido ter várias vagas de garagem. A tendência é aumentar áreas abertas e também aquelas de uso comum dos moradores - como espaços de coworking".

Este vídeo pode te interessar